A mancha de óleo no discurso ambiental

Das queimadas na Amazônia ao óleo nas praias do Nordeste. O discurso e, principalmente, a lentidão de ações com os quais estes dois temas foram tratados é mais uma mancha na imagem do governo federal no campo ambiental.

Levantamento aponta que o Ministério do Meio Ambiente descumpriu preceitos básicos do plano de emergência para desastres ambientais. Demorou 40 dias para tomar medidas que deveriam ser tomadas no máximo dois dias depois do primeiro registro da ocorrência.

A Paraíba já tem duas unidades de conservação ambiental atingidas, no Rio Mamanguape.

Na Bahia, em Pernambuco, Alagoas, é uma tristeza. Mas No manual do governo federal, parece que só existem duas medidas diante de desastres ambientais é 1 – Dizer que não existe problema alguma e 2 – Criar teoria da conspiração e procurar culpados.

E só.

A maior coisa que o ministro do Meio Ambiente produziu foi a insinuação de que foi o Greenpeace que jogou óleo no mar. Brincadeira.

É muita incompetência despejada no oceano da nossa paciência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *