Sem um nome de peso, o “Centro” é só uma ideia vaga, flutuando no espaço sideral

Com boa produção e texto impecável, tem rolado um vídeo que, mesmo não trazendo assinatura identificável de autoria, apresenta defesa nítida do conceito da posição de Centro no Brasil.

É como se fosse um abertura para um campanha que virá de forma mais intensa e clara. Por ora, poucas informações sobre seus autores e propósitos específicos.

De acordo com a coluna Painel da Folha de São Paulo, o vídeo foi patrocinado por partidos de centro-direito e centro-esquerda, a exemplo do DEM, PP, PL, PRB, PSD, MDB, Solidariedade e Avante.

Pelo conteúdo, a ideia é fazer o Brasil sair dessa polarização que se meteu há mais de um ano entre Extrema Direita e Extrema Esquerda, ou melhor traduzindo, Bolsonaristas versus Lulistas.

Algo que tem sido bem propagado pelo presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e seus seguidores, sob a perspectiva de mirar uma futura candidatura presidencial.

Consideram que as soluções para o Brasil não podem vir dessas duas frentes porque elas estão fechadas e cegas em torno de seus conceitos e preconceitos. E que somente o Centrão, um slogan de uma base de parlamentares no Congresso, e que teriam condições de apontar os melhores rumos uma vez que tomam suas decisões a cada circunstância e não com base em conceitos prédefinidos.

Tudo muito bonito. Tudo muito poético. Mas na prática não deverá passar de uma boa proposta.

Ora, em 2018 choveu opções de centro e equilibradas. E o que aconteceu com elas? Patinaram num limbo da falta de identidade. E não há sinal algum que demonstre que isso mudou agora.

Embora, de fato, as coisas deveriam ser vistas a partir de cada situação, visto que nenhum projeto político e de pode ser 100% perfeito e correto nem 100% errado e defeituoso, na prática, infelizmente, o Brasil continuará exigindo do seus líderes serem carne ou peixe.

Para quebrar essa regra, o nome do tal “Centro”, porque sem nome aí que a proposta se tornará ainda mais fantasmagórica, tem que ser alguém que esteja acima do bem do mal.

Um (outro) mito. Ou seja, eu disse “acima”. Não no meio.

 

PARA ASSISTIR AO VÍDEO BASTA CLICAR AQUI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *