Postado em 23/03/12 às 9:38 por Luís Tôrres

 

O cheiro ruim que exala do projeto de construção do novo aterro sanitário de Campina Grande próximo a pequenina e indefesa (?) Puxinanã já incomodava entidades e associações em defesa do meio ambiente. Mas foi quando chegou ao Poder Judiciário que o fedor da operação suspeita inspirou a juíza Adriana Maranhão da Silva, da Comarca de Pocinhos, a determinar, em caráter liminar, o imediato o fechamento do local e a interrupção da colocação dos resíduos sólidos no aterro.
 
Não por menos. Além de desrespeitar as normas ambientais, conforme fica claro em pareceres da Sudema, o projeto de construção do Novo Aterro Sanitário e algumas figuras que dele participam exalam tudo, menos confiança.
 
No parecer, a juíza identifica uma das maiores aberrações: o projeto indica que Puxinanã fica próximo a regiões costeiras, ou seja, no litoral, mesmo estando a mais de duzentos quilômetros do mar. E sabe por que indica? Porque ele é uma cópia, uma xérox do projeto de João Pessoa, usada apenas pra atender a demanda de documentos, feito às pressas, sem o cuidado de tirar nem as diferenças das regiões.
 
Um deboche dos responsáveis com as autoridades paraibanas.
 
"Nada soa mais inverossímil do que conclusão do engenheiro responsável, no que tange ao estudo da geologia local, no sentido de que a cidade de Puxinanã estaria situada em "região geológica denominada de ‘planícies costeiras’, formada por processo de sedimentação de marinha, que se estende nas zonas baixas, de topografia plana na região litorânea nordestina", diz a magistrada.
 
Além da ´malandragem´ implícita no projeto, que foi concebido sobre um terreno de propriedade da família do prefeito de Puxinanã, Abelardo Coutinho, há riscos de contaminação do açude que abastece a cidade e ainda incapacidade de receber dejetos de Campina Grande.
 
O projeto do aterro foi elaborado para o recebimento do lixo proveniente de uma população de 40 mil habitantes, mas ainda recebe dejetos de Campina Grande, que tem população superior a 400 mil habitantes, revela a juíza ao Jornal da Paraíba.
O deputado federal Romero Rodrigues (PSDB) foi um dos primeiros a denunciar os indícios de sujeira que acompanhavam o novo aterro sanitário de Campina Grande. AO defender o projeto, o prefeito Veneziano Vital do Rego declara que realizou um desejo antigo do povo campinense, dando um cheirinho de alfazema ao aterro.
 
Mas a fedentina que está por debaixo do projeto é mais forte. O Poder Judiciário parece que já identificou que será preciso passar essa história a limpo. Antes que fique impossível respirar ar puro.
 
Luís Tôrres

Comentários dos usuários (11)

11 Nenhum comentário foi adicionado.
Sua opinião é muito importante para nós, deixe o seu comentário. Lembramos que o seu comentário será analisando antes de sua publicação.
  1. Thiago disse:

    Quem defende esse “aterro”, que de aterro so tem o nome. Certamente não conhece o dados técnicos necessários para que assim o seja chamado. Quem dúvidar e achar que isso é questão meramente politica, venha olhar esse projeto. Pois se existe politica, muito mais é para quem o fez, ou seja, só quem ganha é Veneziano e Aberlado. A população de Puxinanã, está sendo totalmente desrespeitada e correndo risco de sobrevivência! So para endossar, pergunto a vocês, porque escolher um local ao lado de um açude? em uma cidade de pequeno porte? Ninguém é contra um aterro sanitário, se este fosse bem feito, não estariamos aqui preocupados e discutindo tal problema, mas a questão política e financeira fala mais alto, e estamos aqui.

  2. simone disse:

    Visitei o lixão de Puxinanã e é um lixão de longe se ver as montanhas de lixo

  3. ronaldocosta disse:

    Pessoal vamos deixar um pouco a ignorancia fomentada pela imprensa paraibana, é aprender a diferença entre aterro sanitário e lixa, sao muito importantes esses conceitos. abraços a todos.

  4. felipe disse:

    Puxinana recebeu um ATERRO SANITÁRIO, não foi um lixao a céu aberto, Puxinana foi escolhida pelo proprietário do aterro, mediante estudos técnicos aprovados na SUDEMA, IBAMA e FUNASA, nada foi construido sem estudos, o problema é que estao utilizando o lixo pra fazer palanque politico, vergonha essa paraiba, vergonha nesses politicos de cg, pocinhos e puxinana…

  5. AAC - Campina Grande-PB disse:

    Puxinanã: você tem o direito de cobrar explicações de todos os responsáveis por tanta maldade e falta de respeito!

  6. AAC - Campina Grande-PB disse:

    Você sabia: enquanto o prefeito Veneziano comemora o fim do lixão de C.Grande, a população de Puxinanã chora pela herança recebida!

  7. AAC - Campina Grande-PB disse:

    Parabéns: jogar o lixo na cara da população de Puxinanã não é a saída para resolver o problema do lixão de C.Grande!

  8. AAC - Campina Grande-PB disse:

    Parabéns: a população de Puxinanã não tem nada a ver com o lixo de Campona Grande!

  9. AAC - Campina Grande-PB disse:

    Perguntar não ofende: porque foi escolhido o município de Puxinanã para receber todo o lixo da cidade ce Campina Grande?

  10. felipe disse:

    Um absurdo se politizar a questao do meio ambiente, mais absurda ainda uma decisao liminar de uma magistrada que fecha um aterro sanitário para reabrir um lixao, sabendo existir sentença de merito que autorizou o licenciamento do aterro, eita paraiba desmantelada…

  11. Eissoaí disse:

    É isso aí em se tratando dos metralhas vc queria o quê meu amigo ? METRALHA É METRALHA O RESTO É FIGURAÇÃO !

Os comentários estão fechados.